Governo descarta ilegalidade e diz que varredura é rotina

Por Redação 07/01/2019 - 19:59 hs

Apesar de ser considerada rotina pelo governo, a varredura no Palácio Paiaguás há uns dias não tem passado despercebido, além de mostrar o alerta da nova gestão . 

O movimento chamou mais atenção devido as denúncias de escutas e telefônicas na gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB), conhecida como Grampolândia Pantaneira, e que continuam sob investigação na Justiça. 

A suspeita levou à prisão vários ex-secretários de Estado e que continuam respondendo pelas acusações. A varredura foi realizada pela Casa Militar, responsável pela segurança do governador.

Por meio de nota, o governo do Estado se manifestou. Conforme o documento, o trabalho é procedimento comum e negou que estava buscando qualquer ilegalidade. 

Veja a nota encaminhada pela assessoria do governador Mauro Mendes (DEM).

"O trabalho feito pela equipe da Casa Militar é um procedimento comum, que faz parte da rotina e das atribuições do órgão. O procedimento realizado não teve como objetivo a busca de qualquer ilegalidade, e sim a verificação dos ambientes de trabalho".